segunda-feira, 2 de março de 2009

Quando o sol encoberto vai mostrando



Quando o sol encoberto vai mostrando
Ao mundo a luz quieta e duvidosa,
Ao longo de ũa praia deleitosa
Vou na minha inimiga imaginando.


Aqui a vi, os cabelos concertando;
Ali, co'a mão na face tão, formosa;
Aqui falando alegre, ali cuidosa;
Agora estando queda, agora andando.


Aqui esteve sentada, ali me viu,
Erguendo aqueles olhos, tão isentos;
Aqui movida um pouco, ali segura.

Aqui se entristeceu, ali se riu.
E, enfim, nestes cansados pensamentos
Passo esta vida vã, que sempre dura.



___Formalmente o poema “Quando o Sol encoberto vai mostrando” de Luís Camões é um soneto, pois é constituído por duas quadras e dois tercetos em verso decassílabo. O texto obedece ao esquema rimático ABBA/ABBA/CDE/CDE, havendo rima interpolada em A, emparelhada em B e interpolada também em CDE.
___O soneto aborda a ausência da mulher e as lembranças que dela tem o poeta. Surge organizado numa forma tripartida, começando com uma localização no espaço “uma praia deleitosa” e no tempo “mostrando ao mundo a luz”, ou seja, ao nascer do dia.
___Na segunda parte, constituída pela segunda quadra e pelo primeiro terceto, o poeta, que se perde em lembranças de mulher amada, alterna momentos utilizando expressões disjuntivas (aqui/ali) e (agora/agora), que transmitem liricamente a recordação de uma série de comportamentos que ajudam a traçar o retrato da amada e a proximidade que no passado existiu entre os dois: “Aqui a vi, os cabelos concertando;/ Ali, co'a mão na face tão, formosa; / Aqui falando alegre, ali cuidosa;”. Estas lembranças causam sofrimento no poeta, que vai surgir expresso no último terceto.
___Finalmente, na terceira parte, últimos dois versos, a chave de ouro, “enfim”é uma expressão de síntese conclusiva, pois o poeta reúne o seu sofrimento e desgaste psicológico numa expressão globalizante: “cansados pensamento”, que o acompanham de forma duradoura ao longo de uma vida “vâ”, ou seja, sem esperança, que, para infelicidade do sujeito poético, “sempre dura”.

Fábio Pinto

Fábio Gonçalves

3 comentários:

  1. Agradeço imenso o facto de teres postado isto, não so pk tou a fazer um trabalho sobre este poema, mas tambem porque deste-e uma boa orientação =D

    Brigado

    ResponderEliminar